Recentemente, uma cliente que estava de viagem marcada para Paris, me perguntou o que estava na moda. Respondi que a próxima temporada teria uma releitura dos anos 70, militarismo, peças bem estruturadas etc (vide post anterior). Então, surgiu a dúvida: como eu vou estar na moda, se estou acima do peso e já passei dos 60 anos?

Minha dica foi a seguinte: interprete a moda a seu favor. Use tons e materiais que desfilaram nas passarelas, preste atenção na(s) tendência(s) que mais têm a ver com seu estilo pessoal e, o mais importante, selecione peças que valorizem seu tipo físico.

Para uma pessoa com mais de 1,70m, corpo oval, de estilo predominantemente esportivo como a minha cliente, sugeri que ela focasse nas cores marsala, camelo e azul petróleo, em materiais como a camurça, de preferência em calças retas e casacos 7/8 ou túnicas levemente acinturados. As batas coloridas, além de não serem o estilo da cliente, aumentam o volume e chamam atenção para a parte superior do corpo.

Para não ficar de fora do hype, selecionei alguns acessórios que estão fazendo a cabeça das fashionistas. O resultado das compras: uma bolsa com alça longa que vai ser usada por décadas, uma túnica marroquina lindíssima e calças retas nas cores da próxima estação.

#estilopessoal #formatooval


Confesso que sempre prefiro as coleções de outono-inverno às de verão. Por um único motivo: não sou uma pessoa de cores (além de odiar amarelo) Tirando o laranja, dificilmente usarei cores fora da paleta dos tons terrosos e alguns poucos tons de verde e azul. Mais fácil me ver em tons de verde ou marrom militar, que são os que mais se aproximam da cor dos meus olhos (e, por isso, saem bem nas fotos) ou off white.

Esta temporada outono-inverno está especialmente maravilhosa para mim. Além de focar em cores que amo, as tendências são exatamente as que mais gosto e refletem meu estilo pessoal: militarismo, alfaiataria setentista e muito couro e camurça. Se pudesse (e a temperatura e meu dia-a-dia colaborassem) só usaria couro e salto fino. Mas, como não dar pra andar com cara de quem acabou de sair do desfile da Balmain, fico mesmo na calça flare, sandália plataforma e camisa ou bata, na maioria das vezes de manga (só porque acho mais chique). Estampas, uso pouquíssimas: normalmente, as abstratas que possuem duas cores ou onça mesmo. No frio, jaqueta de couro ou cardigã.

Não uso roupa vintage. Vou adaptando meu estilo ao que vai sendo lançado, investindo sempre em peças que vão durar várias temporadas. Passei a usar calça skinny e sapatilha recentemente. Mas, pode ter certeza que se estiver assim, a parte de cima será uma camisa social ou uma bata. Meus novos experimentos são a regata de seda com calça mais ajustada ou minissaia para a noite, sempre de salto.

Tenho sempre uma lista de compras no celular, para não perder a mão e acabar comprando o que não preciso (ou que não combina comigo). Procuro montar coleções por cores, para facilitar (e porque só uso poucos tons mesmo). Depois de montar o guarda-roupa verde militar, estou no azul marinho, cor que tinha aposentado há algum tempo mas que voltei a usar, substiuindo o preto.

Na lista de compras da próxima estação: jaqueta de couro caramelo, camisa azul marinho e calça flare marsala. Para usar tudo junto ou combinar com o que já tenho no armário.



A imagem é a primeira impressão que deixamos nas pessoas. Refletir nossa identidade e nossa personalidade através do que vestimos é a maneira mais rápida e eficiente de mostrarmos quem realmente somos e a capacidade que temos de nos comunicar com o mundo.

Uma imagem trabalhada causa impacto positivo, gera interesse, facilita a comunicação e, sobretudo, agiliza o dia-a-dia de quem precisa tomar decisões importantes e não tem tempo de pensar sobre o que vestir.

O consultor de estilo auxilia seus clientes a encontrar sua assinatura pessoal através do guarda-roupa, definindo um estilo único que traduza sua personalidade, identidade e seja compatível com sua rotina diária.

Ser elegante é estar vestido apropriadamente. E estar adequado não significa apenas seguir o dresscode. Inclui vestir-se de acordo com seu tipo físico, sua coloração pessoal e, principalmente, para a sua realidade. Valorizar o que se tem de melhor com cores, texturas e peças coringas, bem como entender como esconder aquelas partes do corpo que queremos esconder é a verdadeira elegância.

A consultoria de estilo também orienta os clientes a realizarem compras direcionadas e inteligentes, selecionando peças atemporais, com o melhor custo x benefício que o orçamento permitir. A combinação de peças originais e criativas com itens clássicos; unir grifes ao fast fashion e juntar estampas e tecidos inusitados é o que faz seu guarda-roupa ser único e exclusivo.

Um closet coordenado, com peças que combinam entre si, separados por funcionalidade (trabalho, lazer, festa etc) faz com que o ato de vestir-se demore poucos minutos.

#consultoriadeestilo #compraconsciente #estilopessoal #closetcoordenado